O Estado do Mundo (Quando Acordas)

O Estado do Mundo (Quando Acordas) colocará em cena uma relação de causa-efeito entre pequenos gestos e grandes consequências. Servindo-se de utensílios domésticos, aparelhos electrónicos, bens essenciais do dia-a-dia de todos nós – eles próprios responsáveis pelas alterações climáticas –, o espectáculo sublinhará uma ideia de paradoxo: entre aquilo que defendemos a respeito deste tema e a nossa incapacidade de abdicar de comportamentos do quotidiano.

Em cena, apenas um intérprete e uma panóplia de utensílios, retrato das nossas vidas, onde o consumo ocupa um lugar incontornável. Perguntaremos até que ponto os nossos pequenos gestos podem causar grandes impactos. Até que ponto uma torradeira ou um secador podem ser responsáveis por grandes desastres naturais, como um incêndio ou uma tempestade de areia? Até que ponto adicionar um cubo de gelo na bebida ou barrar o pão com manteiga são gestos sem consequência?

Como pôr em cena a imensidão de uma catástrofe natural através de miniaturas? Como criar um espetáculo profundamente ecológico?

O Estado do Mundo (Quando Acordas) será o primeiro espectáculo de um díptico que se destina a pensar o estado do mundo – natural, político, geográfico, social, histórico, económico e humano.

O Estado do Mundo (Quando Acordas) será acompanhado pela série online Isto não é uma brincadeira – a crise climática em 8 episódios, um ciclo que convida a crescer em ativismo, enquanto se decresce em consumismo.

Para além da versão portuguesa, o espectáculo estará disponível para circulação nas suas versões francesa (L’État du Monde) e inglesa (The State of the World). Versões espanhola e alemã sob consulta.

em criação

Próximas datas

  • [ANTE-ESTREIA] 8 Out '21, Festival Materiais Diversos [Pontével]
  • [ESTREIA] 11 a 28 Nov '21, LU.CA - Teatro Luís de Camões [Lisboa]
  • 8 e 9 Dez '21, Centro Cultural do Município do Cartaxo [Cartaxo]
  • 11 Jan a 19 Fev '22, Comédias do Minho [Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Valença e Vila Nova de Cerveira]
  • [ESTREIA versão FR] 23 a 30 Mar '22, Théâtre de la Ville [Paris]

Encenação

Miguel Fragata
Texto

Inês Barahona e Miguel Fragata

Interpretação

Edi Gaspar

Cenografia

Eric da Costa

Figurinos

José António Tenente

Música original

Fernando Mota

Desenho de luz

José Álvaro Correia

Vídeo

João Gambino

Adereços

Eric da Costa, José Pedro Sousa, Mariana Fonseca e Rita Vieira (design gráfico)

Maker

Guilherme Martins

Construção de cenografia

Gate7

Direcção técnica

Renato Marinho

Consultoria

Henrique Frazão

Produção executiva

Ana Lobato e Luna Rebelo

Produção

Formiga Atómica

Co-produção

LU.CA – Teatro Luís de Camões, Comédias do Minho, Materiais Diversos e Théâtre de la Ville

Agradecimentos

Ana Pereira, Andreia Luís, Beatriz Castanheira, Carlos Félix/Decolab, Carlos Miguel/IMPERSOL, Dalila Romão, David Palma, Dina Mendonça, Elisabete Pinto, Joana Ascensão, João Ribeiro, Lara Soares, Maria Mestre, Mónica Talina, Paulo Teixeira/Fablab EDP, Raquel Castro, Rita Conduto, Susana Gaspar

Público-alvo todo o público M/6

Duração 50 minutos (aprox.)