O Estado do Mundo (Quando Acordas)

Até que ponto objectos do nosso quotidiano podem ser responsáveis por grandes catástrofes naturais? Qual o impacto das nossas acções no outro lado do planeta?

O Estado do Mundo (Quando Acordas) coloca em cena relações de causa-efeito entre pequenos gestos e grandes consequências. Edi é um rapaz de 8 anos com uma vida muito preenchida. Todos os dias consome e descarta muitas coisas, até que recebe um brinquedo convite inesperado. Nesse momento, inicia uma viagem por um mundo invisível aos seus olhos, marcado pela crise climática. Num mundo desacertado, é preciso olhar para o passado e fazer com que tudo bata certo no futuro. O tempo está sempre a contar.

O Estado do Mundo (Quando Acordas) é o primeiro espectáculo de um díptico que se destina a pensar o estado do mundo – natural, político, geográfico, social, histórico, económico e humano.

O Estado do Mundo (Quando Acordas) é acompanhado pela série online Isto não é uma brincadeira – a crise climática em 8 episódios, um ciclo que convida a crescer em activismo, enquanto se decresce em consumismo.

Para além da versão portuguesa, o espectáculo está disponível para circulação na sua versão francesa (L’État du Monde (Un dur réveil)). Versões inglesa, espanhola e alemã sob consulta.

disponível para digressão

Próximas datas

  • 30 Jun, Festival Fazer a Festa (Maia)
  • 17 Set, Teatro Municipal da Covilhã
  • 25 Set, Arte Non Stop (Mértola)
  • 7 e 8 Out, Gnration (Braga)
  • [versão FR] 12 a 15 Out, Théâtre Point du Jour (Lyon)
  • 4 Nov, DeVIR/CAPa (Faro)
  • 12 a 27 Nov, Comédias do Minho (VN Cerveira e Paredes de Coura)
  • 2 a 18 Dez, LU.CA - Teatro Luís de Camões (Lisboa)

Encenação

Miguel Fragata
Texto

Inês Barahona e Miguel Fragata

Interpretação

Edi Gaspar

Cenografia

Eric da Costa

Figurinos

José António Tenente

Música original

Fernando Mota

Desenho de luz

José Álvaro Correia

Vídeo

João Gambino

Adereços

Eric da Costa, José Pedro Sousa, Mariana Fonseca e Rita Vieira (design gráfico)

Maker

Guilherme Martins

Construção de cenografia

Gate7

Direcção técnica

Renato Marinho

Consultoria

Henrique Frazão

Produção executiva

Ana Lobato e Luna Rebelo

Produção

Formiga Atómica

Co-produção

LU.CA – Teatro Luís de Camões, Comédias do Minho, Materiais Diversos e Théâtre de la Ville

Agradecimentos

Ana Pereira, Andreia Luís, Beatriz Castanheira, Carlos Félix/Decolab, Carlos Miguel/IMPERSOL, Dalila Romão, David Palma, Dina Mendonça, Elisabete Pinto, Joana Ascensão, João Ribeiro, Lara Soares, Maria Mestre, Mónica Talina, Paulo Teixeira/Fablab EDP, Raquel Castro, Rita Conduto, Susana Gaspar

Público-alvo

todo o público M/6

Duração

50 minutos

Estreia

PT | Lu.CA – Teatro Luís de Camões, 11 Novembro 2021

FR | Théâtre de la Ville, 23 Março 2022

 

Acessibilidade

Espectáculo disponível com os recursos de interpretação em Língua Gestual Portuguesa (LGP), audiodescrição (AD) e sessão descontraída