Fake Week

A criação do espectáculo Fake foi precedida por um período de pesquisa com o formato de uma semana intensiva de actividades dedicadas a refletir sobre a questão do real e do fake, sob o prisma de diferentes áreas do pensamento – do jornalismo à política, da psicologia à justiça, da ciência ao marketing, do teatro ao cinema, das técnicas forenses à filosofia. O programa inclui conferências e conversas, umas falsas outras verdadeiras; um ciclo de filmes que também puxam conversas em volta das noções de verdade e representação; uma sessão de análise de micro-expressões e deteção de mentira feita por um técnico forense, sobre o trabalho de 4 atrizes que interpretam uma personagem real; um workshop de criação e difusão de fake news e um conjunto de oficinas de sensibilização para o tema da desinformação.

Uma semana a falar da mentira para pensar a(s) verdade(s).

 

Nota: As actividades da Fake Week podem ser programadas em complemento às apresentações do espectáculo Fake. Mais informações aqui.

 

 

FAKE AKA MENTIRA

Oficina de sensibilização para a desinformação

orientada por Frederico Batista ou Vera Moutinho

Como detectar um falsa notícia? Como destrinçar informação verdadeira de informação falsa? Será que as redes sociais manipulam a verdade e o nosso olhar?

A partir de 2 ou 3 exemplos de fake news amplamente difundidas, vamos mostrar como através de fact checking se consegue desmascarar uma mentira. Um trabalho de sensibilização para a desinformação, que oferece ferramentas para o dia-a-dia.

 

 

ENGANA-ME QUE EU GOSTO

Workshop de criação e difusão de fake news

orientado por Frederico Batista

Como criar fake news? Quais os mecanismos que intrigam, convocam discussão e produzem aparência de verdade? Ao longo de quatro sessões, um conjunto de pessoas que não se conhecem alimentam um website fantasma de notícias orgulhosamente falsas: Fake Weekly.

 

Nota: a edição original do workshop originou uma publicação impressa, que pode ser consultada aqui.

 

 

FALAR VERDADE A MENTIR

Exibição de filmes

Exibição de filmes em que o jogo da representação (ou da sua ausência) e as fronteiras da verdade e da mentira sejam o eixo central. Após a exibição do filme abre-se espaço para uma conversa com o público, moderada por um convidado.

 

The Arbor, de Clio Barnard (trailer)

The Act of Killing, de Joshua Oppenheimer (trailer)

Dark Side of the Moon, de William Karel (trailer)

Jogo de Cena, de Eduardo Coutinho (trailer)

 

 

FALSAS CONFERÊNCIAS, VERDADEIRAS CONVERSAS

Conferências

Espaços de conversa, onde um moderador põe em diálogo diferentes perspectivas acerca do verdadeiro e do “fake” em área específicas e onde se partilham boas histórias sobre boas mentiras.

 

Jornalismo / Política  As notícias falsas, os meandros da política e impacto de tudo isto na nossa sociedade e nas nossas crenças.

Convidados: Paulo Pena e Carlos Jalali; Moderação: Luís Osório

 

Filosofia  Verdade, realidade, objectividade: de que falamos quando falamos disto tudo?

Convidado: Viriato Soromenho-Marques; Moderação: Luís Osório

 

Psicologia / Justiça  A justiça é cega, as memórias podem ser falsas e a verdade está algures no meio.

Convidados: Madalena Paiva Gomes, Ricardo Vieira; Moderação: Luís Osório

 

Ciência / Marketing  O rigor da ciência e o rigor do marketing: a procura pela verdade, a objectividade, a eficácia, o mercado e as pessoas.

Convidados: David Marçal, Ricardo Miranda; Moderação: Luís Osório

 

 

CRIME, DISSE ELA

Sessão de análise de micro-expressões

Quatro actrizes participam na filmagem de um pretenso casting para o papel de Nancy Crampton Brophy, a figura central do espectáculo Fake. O texto que as actrizes interpretam foi escrito pela própria, para a boca das personagens dos seus livros. Foi também usado pela comunicação social americana para lhe atribuir a autoria do assassinato do seu marido.

Neste encontro, o público será convidado a visionar as filmagens e, numa votação secreta, a escolher a actriz mais convincente para o papel. De seguida, e sem se revelarem os resultados, convidamos o especialista em linguagem corporal, micro-expressões e detecção de mentira, Rui Mergulhão Mendes, a analisar os trechos apresentados e a fazer a sua escolha com base na sua técnica. Finalmente serão revelados os resultados da votação do público. Apenas o espectáculo permitirá saber qual o veredicto final.

disponível para digressão

Conceito e coordenação
Inês Barahona e Miguel Fragata
Produção
Formiga Atómica / Clara Antunes e Luna Rebelo

Co-produção

Teatro Nacional Dona Maria II e Cineteatro Louletano

Apoio
Antena 2